sábado, 18 de fevereiro de 2017

BREVE: Loving

Ruth e Joel: pelo direito de amar.  

Richard (Joel Edgerton) e Mildred (Ruth Negga) formam um casal apaixonado no estado americano de Virginia dos anos 1950. Quando ela anuncia que está grávida, Richard não hesita em pedi-la em casamento e fazer planos para a vida junto à família numerosa que  pretendem formar. Os dois se casam em Washington e tudo indica que seriam felizes para sempre se não fosse crime o casamento inter-racial no estado em que vivem. Os dois são presos diversas vezes e são libertados quando concordam a nunca mais voltarem juntos para o estado onde cresceram e estão suas origens. No entanto, eles sabem que amar um ao outro não é algo errado e  apelam para a Suprema Corte dos EUA para que tenham o direito de viver casados onde bem entendem. Baseado numa história real, o diretor Jeff Nichols cria um filme sutil que nos choca pelo absurdo do racismo ser legitimado pela lei em pleno século XX. Entre todas as perseguições que sofrem o casal, Joel e Ruth estão impecáveis (ambos foram indicados ao Globo de Ouro por suas atuações, embora somente Ruth Negga tenha sido lembrada no Oscar deste ano). A atriz faz um trabalho excepcional desde a primeira cena, onde já ganha o nosso coração. Desconhecida do grande público esta é a sua grande chance de se tornar uma estrela de verdade! Sua sensibilidade e expressividade criam uma Mildred apaixonante cujos olhos brilhantes refletem toda a injustiça que presencia em torno dos seus sentimentos mais nobres. Negga lembra um pouco a portuguesa Maria de Medeiros quando está em cena, mas tem um brilho próprio especial que não renderia críticas se levasse o Oscar de Melhor Atriz para a casa. Joel Edgerton já é mais conhecido, já fez alguns filmes badalados e embora a Academia permaneça esnobando este ator australiano de 42 anos, acredito que em breve ele será lembrado no Oscar. Sua composição como Richard é bastante introspectiva, mas plena na forma como se equilibra entre o senso de proteger a esposa e o cansaço diante de um mundo de regras sem sentido. Ainda que tocando em um tema polêmico, o diretor Jeff Nichols cria um filme discreto, mas arrebatador no senso de retratar o universo em torno do casal. Com familiares, policiais, advogados e imprensa (esta contando com participação especial do ator assinatura de Nichols, Michael Shannon) o filme compõe sua crítica às leis que naturalizamos, quando poderiam ser questionadas. Exibido com sucesso no Festival do Rio do ano passado, aclamado em Cannes e um dos filmes mais queridos da crítica em 2016, Loving ainda não tem data para estrear no Brasil. 

A família Loving real: contra a lei. 

Loving (EUA - Reino Unido / 2016) de Jeff Nichols com Joel Edgerton, Ruth Negga, Will Dalton, Chris Greene e Michael Shannon. ☻☻☻

Nenhum comentário:

Postar um comentário